Archive for the ‘Futebol Carioca’ Category

h1

Perdido em Alphavile

29/10/2009

barueri-x- flamengoCompletamente previsível e sem inspiração, o Flamengo foi dominado e acabou derrotado pelo Gremio Barueri, na simpática cidade nas imediações da capital paulista. Cidade sede dos Condomínios Alphaville, da abastada classe A paulistana. Mas, diga-se de passagem, a Arena Barueri e seu entorno está mais para Barueri do que para Alphaville.

Dizer que Petkovic fez falta é meio óbvio. Mas o problema rubro negro não foi apenas a ausencia do sérvio. Leo Moura e Juan, passam por péssima fase, principalmente o segundo. Willians não funciona como criador de jogadas e Zé Roberto é melhor pela ponta, jogando aberto.

Mas, como nunca achamos uma maravilha quando passamos 10 jogos sem vencer, também seria incoerente criticar tudo na primeira derrota, e contra um time que não tinha nada a perder jogando em seu estádio.

Nada esta perdido. Uma vitória no Maracanã no sábado contra o Santos, traz o Flamengo de novo pra luta. Vale acreditar, mas sem Petkovic vai ser complicado.

Anúncios
h1

Dia do Flamenguista

28/10/2009

Para festejar a comemoração do “Dia do Flamenguista“, vale a lida nesse texto, do jornalista são paulino Rica Perrone.

Parabéns à maior torcida do Brasil. Parabéns a todos os torcedores deste time que move a vida de 20% da população do Brasil.

h1

O fascinante mundo do rádio esportivo

26/09/2009

Em 25 de setembro é comemorado o dia do Rádio, em homenagem à data de nascimento de Roquete Pinto, o “Pai do Rádio Brasileiro”, este companheiro de todas horas. Nesses dias de Internet, TV a cabo, pay-per-view, celulares e afins, resiste ainda o radialismo esportivo e, sobremaneira, as transmissões de futebol.radio

Tndo crescido numa época onde praticamente não se transmitia jogo ao vivo pela TV, muito menos para a própria cidade e sem ter idade ou incentivo caseiro para ir ao Maracanã, me vi confinado ao mundo do radinho de pilha e da minha imaginação.

O resultado disto é que até hoje não dispenso o radinho em minhas aventuras na arquibancada, ou no carro. Ou mesmo no aniversário da minha própria filha. Saudades dos urros mitológicos do Jorge Curi, da sapiência fenomenal do João… depois do 1º tempo contra a U.S.S.R. na Copa de 82, reclamando da “teimosia siderúrgica” do Telê, escalando o Dirceuzinho no lugar do Paulo Isidoro, ou o Titio Mário Vianna gritando “Da figura A para a figura B. Baaaaaanheeeiraaa!!!!!“

Esse envolvimento, a proximidade, sempre ficam evidentes quando estou no carro e ouço o “Garotinho” Zé Carlos Araújo agradecendo a carona que damos à ele durante as transmissões. De nada. Eu é que agradeço a companhia.

Sou do tempo em a Rádio Globo tinha um timaço. Para mim, o melhor.

Minha família sempre saía do sítio às 17h de domingo e chegava no Rio exatamente no final do jogo. Durante anos cumpri este ritual, descendo a serra de Petrópolis na companhia de Jorge Curi, Waldir Amaral, Mário Vianna, João Saldanha, Kleber Leite e Loureiro Neto. É, o Kleber, que era um excelente latinha, virou um comentarista ácido e irônico, depois empresário e presidente de um certo clube da Gávea.

No carro, sempre imaginando aquele gramado verde e as arquibancadas infinitas e lotadas… ansiando em estar lá, doido para ter idade para ir sozinho ao Maraca… nunca vou esquecer um gol do Amauri, aos 46 do 2º tempo num Fla 0 x 1 Flu de 82 em que quase deixei meu pai surdo e ganhei um belo esporro, já chegando em casa, em frente à Estação Leopoldina.

No carro, foi inesquecível a desilusão da derrota de 4 x 0 para o Botafogo em 79, 1 semana depois de ter ganho o Fla x Flu por 3 x 0 (golaço do Cristóvão, Paulo Goulart

defendendo pênalti do Zico), jogo esse que escutei no rádio em casa, gritando, pulando no sofá e correndo que nem um doido. Teve um Fluminense e Vasco no brasileiro de 81 que consegui ir na quarta-feira, onde o Wright expulsou o Zezé com 1 minuto de jogo e perdemos de 2 x 0. No domingo, em casa, no radinho, ouvi ensandecido o Fluminense de Edinho e Cláudio Adão fazer 3 x 0 no 1º tempo… classificado no intervalo, corri para a máquina de lavar para secar a camisa para a escola na segunda, mas sucumbimos no 2º tempo graças ao Dinamite e ao César…

Ou o ritual da volta para a casa, quando sempre que um técnico do Flu começa a falar, eu entro no túnel (Rebouças ou Santa Bárbara) e perco parte da entrevista…

Enfim, são tantos anos e inúmeras histórias de jogos que só puderam ser vividas graças ao rádio e a esses heróis de todo dia que transformam autênticas peladas em batalhas épicas, gloriosas e leoninas pela vida e morte de nossas paixões. A eles o meu muito obrigado.

Carlos Clark é um tricolor carioca analógico, com um pé fincado no digital. Se diverte escutando a Rádio Gaúcha na Internet. Colabora com a Fla&News com histórias do mundo da bola.

h1

Onde eles irão parar?

21/09/2009

Adriano e Petkovic.

São eles os principais responsáveis pelo bom futebol e a conseqüente reação rubro negra no campeonato nas ultimas 4 rodadas.

adriano_golaçoO Flamengo derrotou: Santo André, Sport e Coritiba e empatou com o Atlético Paranaense. Pode-se discutir o nível dos adversários, claramente entre os considerados rebaixáveis, mas é inegável a qualidade do futebol apresentado.

A possibilidade real de disputar sua segunda Copa do Mundo e uma chamada pessoal do Prof. Dunga enquanto esteve na Granja Comari parecem ter sido o estimulante que faltava ao Imperador. É bem verdade, que desde que chegou ele vem melhorando. Sua capacidade de finalização é algo que não se vê no ataque do Flamengo desde Romario, pelo menos. Mas nas duas últimas partidas, o que se viu em campo foi um atacante rápido, com arranque e visão de jogo. Se continuar assim, será facilmente eleito o melhor jogador do Brasileirão 2009.

De Petkovic, já falamos bastante nas ultimas semanas. O sérvio é um meia à moda antiga, daqueles que chama o jogo, e sempre tenta o passe decisivo. Impressiona nas suas últimas entrevistas a noção que ele mostra ter sobre o negócio futebol, a parte do business e do marketing esportivo. Seu comprometimento com o Flamengo nessa passagem tem sido exemplar. É, desde já, o maior mico da imprensa esportiva em 2009. Jornalistas renomados fizeram piada da contratação do meia do Flamengo. Surpresa altamente positiva. E realmente, deve ser contagiante jogar em alto nível aos 37 anos de idade e ter seu nome gritado em coro pela maior torcida do Brasil.petkovic_fla

Em tempo, seu gol de falta na noite de domingo lembrou um certo camisa 10 da Gávea de outros tempos… Se fosse com a mão não seria tão perfeito.

Agora… Até onde vai esse flamengo no Campeonato Brasileiro? Arrisco  a dizer que é imprevisível, mas com a dupla Adriano / Pet nessa fase, o céu é o limite, ou a zona da Libertadores. Título é ainda, improvável.

h1

Crônica de uma morte anunciada

02/09/2009

Vamos do começo

2009. Ano novo. Chega Alexandre Faria para gerenciar o futebol tricolor. No currículo, 6 anos de uma desastrada gestão à frente do Atlético-MG, incluindo um rebaixamento e uma demissão sob a acusação de que sendo também empresário de jogadores, não teria isenção para ocupar o cargo e que havia instalado uma “quadrilha” no clube.fluminense2

Com este senhor, o Fluminense inicia mais uma vez uma reformulação total do time, deixando apenas 3 titulares do time do ano passado. Plano arriscado, eu previ que o time pegaria conjunto depois de junho, o que não aconteceu até hoje. Ao invés de agradecer ao René Simões e procurar outro técnico para estruturar o elenco, foram com ele, para demiti-lo logo em seguida.

Com este arranjo, a direção do Fluminense (Horcades, Tote) começa a colidir com Celso Barros (Unimed). Mas nessa hora não faltou recurso para trazer o cupincha do Faria, o também mineiro Fred, por 400 mil por mês e o bichado Leandro Amaral por 250 mil. Caso emblemático foi o lateral Leandro, que após uma boa temporada pelo Palmeiras, não jogou nada e foi repassado ao Vitória, dizendo-se sem ambiente no Rio. O que se sabe hoje é que de janeiro a março, ele não recebeu um tostão de salários, que continuam atrasados até hoje, foco de insatisfação do elenco.

 A chegada de Parreira

Com o fiasco no carioca, apesar do altíssimo investimento, chega o Parreira – depois de trabalhos fracassados nas seleções de Brasil e África do Sul – com seus conceitos obsoletos e aquela pasmaceira à beira do gramado. Não teve o pulso para barrar jogadores como Edcarlos, Mariano e Wellington Monteiro, artífices de trocentos gols levados pela defesa do Flu. Com a chegada do Parreira (salário: 500 mil), saem de cena o Celso Barros e seus petrodólares, deixando um elenco capenga e órfão de novas contratações.

Com a invasão da torcida num treino e tiros disparados pelo segurança do FH (Frango Humano), começa a ficar mais visível o racha na direção. A barração de FH com certeza não foi obra do Parreira, mas sim de seus superiores e ele até merecia, pois trata-se de um jogador que financia a torcida (Young Flu) para receber aplausos.

Nova gerência para o futebol

Após outra série de fiascos com o Professor Pé-de-Uva, Horcades e Celso fumam o cachimbo da paz, trazendo de volta a menina dos olhos do patrocinador – Renatão Gaúcho –  e o Boneco de Marshmallow (Branco), que ao final das contas, é menos pior que o Faria e tem total identidade com o clube. Junto, veio o dinheiro para novas contratações, que não param de chegar e um churrasqueiro querido da boleirada, Valdir Espinosa, para ser um pseudo coordenador técnico.

Mas o racha estava exposto. De um lado, Horcades (que é torcedor do Náutico Capibaribe), seu vice e financiador de sua campanha, Tote Menezes (nunca o vi dar uma entrevista ou aparecer no Maracanã), a turma que os colocou lá, Marcelo Fischel, que há muito domina Xerém e o destino dos jovens craques feitos no Flu. Do outro, Celso, Renato, Branco e o Dr. Michael Simoni. No meio, um time inseguro, desarticulado e repleto de valores duvidosos.

O episódio Urrutia

Depois do episódio do tiroteio, o Tote resolve tirar o time das Laranjeiras sob pretexto de falta de estrutura e leva para um local pior, o CFZ, que além de muito distante, não conta com estrutura adequada e aumenta as despesas mensais do clube falido. E disposto a bater de frente com seus desafetos, demite sumariamente o competentíssimo Dr. Simoni, usando como desculpa o episódio da contratação de Urrutia, que aconteceu da seguinte forma: Dr. Simoni examina-o e constata que só em um mês pode jogar. Tote, que não queria mais um jogador da Unimed, apressou-se em vetar a contratação. Celso, Renato e Branco, perguntaram ao Dr. se poderia recuperá-lo. O Dr. disse que sim, que após uma intervenção estaria treinando em 15 dias. Feita a operação, muito bem sucedida, o Tote demite o Simoni, por vaidade, simples assim. Enquanto isso o omisso Horcades jamais se manisfestou, a não ser para tentar barrar a volta do Renato. Que já andou se estranhando com o Branco, e este com o Tote.

 O cometa Renato

renataoRenato, por sua vez, apesar de uma campanha pior do que a do Parreira, foi o menos culpado. Pegou o barco já afundado, com um elenco pobre e dividido por conta dos privilégios do Fred (quarto individual nas concentrações, tratamento em BH, longe do grupo) e atrasos de salário (alguns recebem pelo clube, outros pelo patrocinador). Não resistiu. E creio que o patrocinador tenha dado um bilhete azul amigo, poupando-o de bater o recorde de rebaixamentos. Foram-se também o churrasqueiro e o preparador.

 

E chega o Cuca

Cofre aberto, chegaram as caras novas, mas parece ser tarde demais. Dentre elas algumas conhecidas como a do Cuca, que apesar de uma reconhecida competência, sofre para administrar elencos, ainda mais um em crise total. Vai enfrentar resistência na arquibancada e talvez internamente, visto que foi criticado pelo elenco ano passado. Aproveito para comentar a reportagem do Globoesporte.com, que transformou o Cuca em vilão da Gávea e o Leo Moura e Juan em santinhos. Não posso crer que o Cuca tenha sido tão incorreto. Para mim, a segundona começa hoje, com a chegada do Prof. Pardal e seus esquemas loucos. Me parece ser o técnico disponível com perfil de segunda divisão. A lamentar, a postura derrotista do Tote, ao já anunciar férias antecipadas em caso de descenso. Torcedor tem todo o direito de achar que já caiu. Ele não. Tem que planejar a segundona agora, mas sem admitir a derrota iminente. Questão de moral. Segue a nau sem rumo. Ah! E já perderam 2 dias de treinamento em Itu… que planejamento…

Ontem surgiu a notícia que o conselho se move em direção ao impeachment do Horcades. Situação delicada, onde a emenda pode sair pior que o soneto. A renúncia não pode ser descartada. Basta uma fagulha para gerar o caos institucional. A coisa ferve nas Laranjeiras.

Sou tricolor de coração… sou do clube da segunda divisão…

Carlos Clark sofre pelo Fluminense e não se ilude com números e probabilidades nem por um segundo. Já viu coisa pior, por incrível que pareça. Colabora com a Fla&News com notícias do mundo tricolor

h1

A bagunça

17/06/2009

Sejamos honestos. O C.R. Flamengo é uma bagunça.Cuca_Flamengo_Show

O técnico atual, completamente abandonado pela diretoria. Diretoria esta que discute entre si sobre contratações e medidas para o futebol do clube.

Ja surgem na mídia notícias de que querem trazer: Geninho, Sergio Guedes ou Renato Gaúcho. Nenhum deles empolga o mais fanático dos flamenguistas. Ah, mas vão trazer o Joel. Pára tudo!

Até quando o Flameno viverá contratando e recontratando o ilustre Joel Natalino? O Joel é melhor que o Cuca? Será que o Kleber Leite acha que o Natalino vai tirar o time da lama em todas as vezes que for contratado?

O que deve ser feito no momento é avaliar se o Cuca tem realmente condições e clima para dar a volta por cima e liderar esse grupo. Mais do que isso, o técnico precisa de respaldo. Ilhado e sem apoio, ele vira um coitado nas mãos de jogadores mimados como tem o Flamengo. Se vão fazer isso, não sabemos. Não é o que parece. A queda de Alex Stival parece ser questão de dias. A nós, só cabe torcer para a Africa do Sul para manter o boêmio treinador do outro lado do oceano Atlantico.

Os casos de insubordinação se sucedem. Inconformismo com treinos em dupla jornada. Faltas por motivos banais. Descontentamento com a carga de exercícios. Enfim… Uma vergonha. E, ninguém faz absolutamente nada! Não existe ambiente de trabalho que sobreviva a essas questões. Assim como acontece nas ruas do Rio hoje em dia, o Flamengo precisa de um choque de ordem. O salario ta em dia? Faltou o treino? 10% de multa nos vencimentos. E assim as coisas começam a ter ordem.

Mas, esperar: organização, planejamento e seriedade destas pessoas que dirigem o clube de maior torcida do país atualmente é um sonho distante.

Enquanto isso, nós continuaremos a ver eventuais goleadas vexatórias para times de menor expressão.

h1

Inesquecível

01/06/2009

Dejan Petkovic é autor da maior façanha que já vi meu time superar.

Era o ano de 2001 e o Flamengo chegava a terceira decisão seguida de campeonato estadual contra o Vasco da Gama. O time cruzmaltino, que tinha melhor elenco, e jogava para ser campeão com a vantagem de poder perder por 1 gol. O jogo estava 2×1 para o Fla e a torcida vascaína já gritava “é campeão”. Aos 43 do segundo tempo, o atacante Caio (esse mesmo que hoje é comentarista da TV Globo) sofreu uma falta na intermediária. Era a última chance, e não era uma chance clara. A falta era de longe… E voltando ao Gringo, que arrumou a bola e cobrou de forma impecável, com a bola tendo feito uma trajetória que desafia os limites da física. O pobre (e bom) goleiro Helton do Vasco pulou e so conseguiu raspar as pontas do dedos na bola. Mas, como diria o ditado popular, a Inês já estava morta.

Gol do Flamengo! Tri campeão! Neste momento os jogadores do Flamengo se abraçavam em êxtase, e os do Vasco olhavam e tentavam entender como a bola havia entrado. E, uma imagem emblemática daquele momento foi o Zagallo, técnico do Flamengo na ocasião tendo praticamente um ataque à beira do gramado.

Inesquecível!!! Só para as pessoas de outros cantos do país terem a noção do que isso representou, foi simplesmente por causa deste tricampeonato que o Vasco passou a ser conhecido como VICE DA GAMA. Impagável!!!

Pois bem, contei toda essa história porque hoje, 8 anos depois, esse mesmo gringo que passeou por um monte de clubes do Brasil, voltou ao Flamengo. Volta tarde, é verdade. Mas volta de onde nunca deveria de ter saído. Costumo dizer que se Petkovic ficasse no Flamengo por muito tempo depois daquele gol, hoje seria um ídolo absoluto da calçada da fama rubro negra. Mas, outros caminhos e propostas o levaram embora.

Aí vão falar que ele esta velho, que vai desagregar. Eu prefiro acreditar que se trata de um jogador com a consciência de que esta em fim de carreira e pretende terminar dignamente. Sem falar nas finanças do clube. A escalação ou não do jogador esta sob responsabilidade do técnico. Torço para que Cuca tenha independência e tranqüilidade para decidir escalá-lo ou não.

João Roberto Lira é torcedor do Flamengo e acompanha o FLANEWS desde sempre. Resistiu muito tempo aos convites para escrever mas entendeu que chegou a hora e admite ter gostado da experiência. Volta uma hora dessas aí…