h1

21/08/2009

tarja

Pontos corridos: Que vença o mais forte. (ou Onde fica a câmara de tortura da Gávea?)

Quase dez anos atrás, o campeonato Brasileiro começava a se preparar para transformar as regras e levar os times a jogarem de uma maneira nova, através dos hoje famosos Pontos Corridos. Até hoje criticada, a idéia era equivaler o campeonato aos padrões internacionais e além disso, dar o troféu ao time que realmente mereceu a faixa de campeão.

Para sobreviver em um campeonato de pontos corridos, o clube (sim, o clube, não só o time) precisa estar 100% afinado. Desde seus problemas extra-campo, até a tática para o próximo jogo, tudo precisa se encaixar. Aquele que conseguir a melhor estabilidade e manter o melhor elenco, leva o caneco.

Ano passado o Flamengo figurou no G-4 por muito tempo, aproximadamente por 10 rodadas foi líder da competição. Isso até abrir a maldita janela de transferência, pois no momento todos diziam que até banco de reservas dava um belo time titular. Mas isso foi ano passado.

Passadas as saídas de Marcinho, Ibson, Fabio Luciano, que desfalcaram de verdade o conjunto rubro-negro, o Flamengo foi perdendo suas peças de reposição, e aos poucos, no banco de reservas do Flamengo só se via dúvidas e apostas.

O que sobrou foi um time titular mediano, que brigaria ao menos pela Libertadores. Mas era uma situação delicada, porque ao menor sinal de ausência de um jogador, não havia quem repor para igualar em campo.

E então o médico da galera começou a trabalhar. Recebeu Juan, recebeu Toró, abriu as portas para Leo Moura, botou na faca o Kleberson, arrumou uma cadeira para Petkovic e Fabrício e acompanhou as queixas de Everton. De repente um atacante também foi parar na enfermaria e agora Emerson está sendo avaliado.

Oito jogadores de um time de onze. Fora as suspensões. Para repor, o clube começou a catapultar jogadores mirins para a função, despreparados, ainda em fase de amadurecimento. O que se vê é um time praticamente de juniores do Flamengo, imaturo e despreparado, encarando todas as partidas do Brasileirão.

A dúvida que mais me deixa incomodado é: Onde está a câmara de tortura da Gávea? Onde e como estão treinando esses caras, que não agüentam 4 jogos sem se machucar? O que está fazendo a comissão técnica liderada pelo Andrade que está deixando os jogadores tão vulneráveis? Não existe time que tenha oito jogadores no departamento médico esse ano, e se você me disser que é o acaso, tragédia, coincidência, desculpe, jogador em forma e bem treinado não sente dores musculares como tem sido a maioria das reclamações.

E pra não esquecer as citações da coluna como sempre, deixo aí a frasezinha do Bruno, que saiu de campo tranqüilo:

“Eles vão pegar no pé de quem é referência. Sei que posso dar mais e vou melhorar. Sem tranquilidade a vaca vai para o brejo.” – goleiro Bruno

É, não vai ser só a vaca a ir pro brejo… Já tem gente no Z4 quase dando boas vindas.

Fellipe dos Santos, o Phill, escreve sua coluna semanal para o Flanews esperando que a creche infantil rubro-negra não nos leve mesmo para o brejo…

Anúncios

5 comentários

  1. Desfigurado. Foi o time do flamengo que entrou em campo ontem pelo cruzeiro.

    Everton Silva – Não sabe nem correr, o que dirá jogar futebol. Caiu sozinho no lance do primeiro gol do cruzeiro e ficou epdindo falta. Vergonhoso.

    Bruno – Não mudo minha opinião. Bom goleiro, ams em má fase técnica. Ja tinha ido mal contra o Gremio e ontem, pelo menos o segundo dava pra ter evitado. Ele melhoraria como pessoa se fosse um pouco mais humilde.

    A garotada – Galhardo, Camacho, Jorbison, Lennon. Todos com potencial mas numa fogueira de dar gosto. Lamentavel estarmos queimando uma boa geracao de jogadores criados na Gavea.


  2. Está explícita aí uma das maiores diferenças do SPFC para os demais. O REFFIS.
    Duvido que o Juan demorasse o tempo que teve no DM se o fla tivesse um centro de reabilitação que o tricolor paulista possui. Essas coisas (ESTRUTURA) fazem diferença nos campeonatos de pontos corridos.


  3. Será que vcs tem uma masmorra igual à nossa? Quando jogador do Flu vai pro DM com dor de dente, volta com o tornozelo operado e um rim retirado. 8 meses depois.


  4. Voltando……..
    O que acontece, sem falsas esperanças, é que “lutaremos” por vaga na sulamericana. E olhe lá.


  5. Mais uma vez a janela derrubou o time do Flamengo. E as contusões complicaram ainda mais. Libertadores ficou bem longe. Hoje, Figuras rubro-negras como o Renato Maurício Prado já começam a colocar em cheque o trabalho do Tromba.



Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: