h1

O mico do Engenhão

18/11/2008

 

Porque a grande imprensa não diz o que acontece ali?

O Engenhão não é viável. Ponto. Enfiaram no meio do subúrbio carioca um monstrengo (lindo) que fica no meio de um emaranhado de ruas, não tem estacionamento ou acesso decente.

Pois bem, quem em sã consciência sairá da zona sul, para encarar 1h30 de ônibus/metrô/trem e ter que voltar à meia-noite de uma quarta-feira? Só mesmo os abnegados e destemidos. Sem falar que a entrada da estação de trem, a melhor opção de transporte lá, fica quase dentro da torcida do Botafogo. Estacionamento? Só a 2 km. Teve gente que levou 2h para sair de lá de carro e chegar à Barra na inauguração. O ilustre parceiro português para o projeto da “Arena Botafogo”, ao que parece picou a mula assim que se deu conta da inviabilidade do trambolho.

Não tem condições de receber jogos de grande monta. Simples assim.

Sabemos que a torcida do Botafogo é a menos fiel, e reside praticamente toda na zona sul. Não é o tipo de público que vai encarar isso toda hora. O Engenhão virou o Vazião. Ao que corre, o Botafogo também está atrasando o irrisório pagamento para a prefeitura. A zorra interna de um clube sem identidade, que sempre mamou nas tetas do estado mais uma vez é escorada com o dinheiro público. Manutenção? Varemos. Daqui a pouco de Vazião vai passar a Esculhambadão. O Botafogo nunca cuidou de si, como cuidará da jóia da coroa de César Maia?

Clube sem identidade sim, que uma hora fica em Botafogo, outra hora reside em Marechal Hermes, volta para General Severiano graças aos favores do Estado, joga e treina em Niterói (é do município, favor da Rosinha) e depois vai para o Engenho de Dentro. Único clube carioca que já foi dirigido por bicheiro, hoje sua torcida tenta fingir que o clássico Botafogo x Flamengo é o maior do mundo e tem profunda inveja e ressentimento de qualquer fato positivo relacionado ao tricolor.

Como historicamente demonstram nervosismo, que hoje transparece em choro excessivo, vêm angariando a antipatia nacional. Clube que jogou nas costas do Estado a resolução de seus problemas, dentro de campo vive de culpar juízes por fracassos, culpar jogadores e dirigentes por derrotas e vive toda sorte de desmandos.

O Fluminense não é nenhuma maravilha, mas vive dias mais organizados, o mesmo para o Flamengo que vai se ajeitando sob a batuta do Kleber Leite o Vasco agora com Dinamite. O Botafogo, que teria os melhores quadros (Bebeto & Montenegro) é o que mais precisa de uma mudança de mentalidade. O Botafogo precisa virar gente grande.

 

Carlos Clark é tricolor e não aguenta mais o chororô do co-irmão. Colabora com a FLANEWS com notícias e impressões do esporte bretão.

Anúncios

7 comentários

  1. É SIMPLESMENTE RIDÍCULO! ASSIM COMO A TAL CIDADE DA MÚSICA, DO SENHOR CESAR MAIA (QUE CUSTA 2 MILHOES POR MES SÓ EM MANUTENÇÃO)
    O QUE ME ATERRORIZA, É QUE NÃO HÁ UM SUJEITO MUNIDO DE PODER NESSE PAÍS QUE BREQUE ESSES DESEQUILÍBRIOS.
    MUITO TRISTE VER TANTO $ JOGADO FORA, EM UM PAÍS COMO O NOSSO.
    AGORA A PERGUNTA: SE LÁ PODE, PQ N NA GÁVEA?


  2. Ricardo, imagina a Lagoa-Barra-Rebouças em jogo do Flamengo quarta às 20h. O engarrafamento vai começar no Recreio de um lado e termina em Nierói do outro. Engenhão: estádio sem estacionamento simplesmente não pode existir. Já já o Eduardo Paes vai ter que pegar de volta.


  3. então é melhor declarar e entregar o Maraca logo para a maior nação do mundo!
    Agente manda aterrar a Lagoa e faz estacionamento!


  4. Se os acessos fossem fáceis lá, o problema de estacionamento seria o de menos…
    Agora, convenhamos que pegar um trem na central pra um jogo as 21:30 e depois voltar é programa de maluco ou no mínimo de irresponsavel….


  5. Quem construiu pensou nisso? O Bota se preocupou? Graças aos céus o Fluminense não arrendou esse king kong. E podem tirar o cavalo da chuva que o Maracanã não será do Flamengo sozinho. Só depois que construirmos a nossa arena… no dia de São Nunca!


  6. Nunca fui ao Rio mas imagino que as dificuldades de se chegar ao Engenhão, pelo que vocês falaram, são similares a uma ida ao Moruntri.

    e como a torcida do São Paulo é parecida com a do Bota, só vai qdo o time está ganhando, pelo jeito o Engenhão ficará vazio em todos os segundos turnos do brasileirão! hahahahaha

    dá-lhe cavalo paraguaio!


  7. Diego,
    Conheço os dois… (adoro conhecer estádios)
    O “entorno” do Engenhão lá no Rio se parece mais com o Parque Antartica… A diferença é que os estadios em São Paulo ficam em zona residencial de classes A e B. Já no Rio, se for classe C é muito… Aquela região da zona norte é perigosíssima.

    Passar na linha amarela depois das 21hs é loucura…



Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: