h1

Espaço Phill

09/11/2008

cheque21

Bom para…

Antes de mais nada deixe-me ver se estamos na mesma página. Futebol têm virado mais negocio e menos arte, correto? Ok.

Jogadores trocam de clube o tempo todo em busca de evolução profissional. Meta: Europa. Antes disso começam em clubes no Brasil, as famosas vitrines para estrangeiros. Então escolhem dois rumos: ou a fama na Europa ou o montante indecente de dinheiro das arábias.

Dia a dia, os jogadores têm valorizado o que o futebol de hoje em dia pode proporcionar. Dinheiro. Antes, jogava-se por amor, hoje por profissão. Mas não há nada de errado com isso. Se o jogador virou funcionário e o clube a empresa, então temos aí construída uma estrutura que funciona em todo o mundo. Paga-se para trabalhar.

Voltando ao foco que não pode-se fugir. Flamengo. O time há muito tempo funciona na base do salário. Salários astronômicos já foram pagos (ou não) para jogadores atuarem no time. Eles recebiam a fama e todo o dinheiro envolvido e faziam sua parte dentro de campo. Sim, isso é o que você lia a respeito na época.

A verdade por trás do clube (e não só o Flamengo) é que existem dívidas e mais dívidas a serem pagas. O clube vira e mexe investe o que não têm para ter o que não pode. Isso dentro de campo é tão visível quanto o sorriso amarelo de nosso presidente Sr. Braga em cada entrevista que dá.

Essas dívidas são principalmente frutos de contratações impossíveis que aconteceram nos últimos anos. Mas não é a pior parte. Os jogadores do Flamengo têm se acostumado a chegar ao clube já sabendo que o salário do próximo mês sairá atrasado. Há tempos o clube não consegue honrar com sua principal responsabilidade: os cheques mensais.

Esse texto saiu hoje depois de ler que o presidente Marcio Braga “motivou os jogadores para a reta final do Campeonato”. Quitou os salários atrasados dos atletas. Uau. Um presidente com anos de clube usou de uma de suas maiores responsabilidades como prêmio para os jogadores. Aqueles que correm todo dia, suam, e são cobrados violentamente por uma torcida que não perdoa. Como querem que um time manco de uma perna (porque salário atrasado é desmotivador para qualquer um) compita com um time estruturado, com salários em dia como um São Paulo, líder do campeonato?

E por falar em prêmio, há décadas que o time já não acredita mais quando os comandantes lhes prometem um bônus se vencer tal partida ou tal etapa de um campeonato. O Flamengo tem uma série de prêmios e bônus atrasados aos quais nunca tiveram acesso.

E nisso tudo, o clube se esconde atrás da tradicional filosofia do grupo. “Ser Flamengo é amar a camisa aconteça o que acontecer”. Aconteça o que acontecer dentro de campo, com o adversário, com uns tropeços ou outros, mas não com a honra. A honra de cumprir todo mês aquilo que é primordial entre funcionário-empresa. Salários. E não adianta dizer que eles ganham salários altos o suficiente pra passar meio mês sem receber. Pois jogador é jogador dentro de campo. Fora, existem esposas, filhos, problemas a resolver. E um time como o Flamengo não pode deixar isso fora de suas prioridades.

Fellipe dos Santos, o Phill, é rubro-negro e espera que esse problema financeiro não atrapalhe a busca pelo título. Escreve no Flanews sua coluna semanal.

Anúncios

2 comentários

  1. Esse é um problema crônico, fruto de má gestão e megalomania. Todos ainda querem jogar no flamengo porque é a melhor vitrine. Amor à camisa não existe mais. Em nenhum clube.

    E o Marcio está gagá!!!!!!


  2. Amor à camisa só no GRÊMIO.



Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: